Sexta-feira, 4 de Setembro de 2015

No desconforto da areia

   

O mar está gelado. O dia é frio. Ou então é quente. Há nuvens, que chatice. Ou então não há nuvens e está um dia de sol que não se aguenta. Raios. Estás pouco bronzeado. Ena pá, apanhaste um escaldão. A areia queima os pés. E mete-se em todo o lado. No saco. No carro. Talvez até no telemóvel. Porra, areias.

 

E são estes os principais queixumes de quem frequenta praias…

Até ao dia em que chega à areia um miúdo morto.

 
“Naufrágio da humanidade”, chamam-lhe. Surgem as chocantes capas de jornais e os cartoons certeiros. Mas não surge a paz. E pouco nos adianta desejar que os monstros responsáveis por isto se engasguem com o foie gras ou o champanhe ao ver as notícias, que criaturas com tamanha insensibilidade não têm consciência de nada para além dos seus macabros objetivos.

 

Afirma-se que o mundo é uma aldeia, porém as fronteiras são, na verdade, implacáveis. Tentam deitar areia para os nossos olhos, onde elas nos causam mais desconforto.

 

publicado por BataeBatom às 21:18
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito (3)

. ver BB

. seguir perfil

. 313 seguidores

.facebook

Bata&Batom no Facebook

.pesquisar

.posts recentes

. No desconforto da areia

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.arquivo

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014