Sábado, 23 de Janeiro de 2016

Olhe, desculpe, isto é um insulto aos românticos

  

É só isto que tenho a dizer a quem escreveu o guião do filme "O Dia em que a Terra Parou".

 

Inicialmente, não liguei grande coisa ao que estava a dar na TV. Foi então que me apercebi que, na Fox Movies, um ser extra-terrestre estava a renascer num corpo humano (bastante agradável). Uma cientista mostrou-se recetiva a apoiá-lo, ao contrário de todos os outros que tentavam, inutilmente, combater o representante de uma espécie mais avançada.

 

Uma cientista gira, viúva e com um filho.

Um recém-humano charmoso...

  

o dia em que a terra parou.jpg

 

Claro que isto ia dar romance, certo??

 

 Não, não deu.

 

Nadinha... Ele voltou para outro local, algures no Universo, na sua bola estranha de luz e cenas. E a Humanidade foi salva, mas isso não chegava, Sr. Realizador! Não chegava, percebe?

     

publicado por BataeBatom às 23:02
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito (3)
Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016

Porque raio querem levar a placenta para casa?

        

placenta.png

Mas o que pode, afinal, motivar alguém a levar a placenta para casa? 

 

Cenário 1
Estou aqui na maternidade, acabei de ter um filho, o meu marido não me ajuda em casa e não tenho comida para o cão…
Hum, agora que penso nisso…… Dr., dê-me cá a placenta!

  

Cenário 2
Ah, diz que agora é moda comermos a placenta, faz bem e não sei quê…


Cara recém-mamã, isso é tão cativante como um arroz de cabidela feito com a hemorragia mensal que abençoa as mulheres. E que tal ter uma alimentação equilibrada e mais comum, fazer exercício físico e ter hábitos de sono adequados? Já temos aqui pano para mangas para sermos saudáveis, não nos transtornemos a comer restos do nosso corpo.

 

Cenário 3
É uma parte de miiiim e do meu bebééé, quero a placenta, vou emoldurá-la para pôr na minha mesa-de-cabeceira!


E porque não guardar as fraldas usadas? E a última menstruação? E a primeira depois do parto? E os restos da primeira vez que se corta as unhas ao bebé? Ah, pois, dessas é que ainda não se tinham lembrado! 'Bora lá comprar frascos e molduras.

 

Cenário 4
Gosto de fazer trabalhos manuais.


Por último, mas não menos interessante, há que realçar que podemos estar a falar de mamãs com jeito para as artes visuais e que, portanto, queiram fazer uma pintura (carimbando com sangue a forma da placenta) ou até mesmo um… urso. Sem comentários.

       

publicado por BataeBatom às 19:28
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito (3)
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016

Versão ikra-não-sei-quê da "Não Dá"

 

plágio dama.png

 

Ai, o maroto! Nem o rap lá pelo meio faltou...

    

publicado por BataeBatom às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (21) | favorito
Terça-feira, 12 de Janeiro de 2016

Sobre o senhor homenageado hoje pela Google

             

A minha infância literária (tal como a de muitos vós) tem um nome: Perrault. E por isso é que fiquei de coração derretido quando vi as imagens, tão fofas, que ilustram hoje o nosso amigo Google. 

   

Charles Perrault fez os primeiros registos escritos dos contos de fadas, baseados em histórias que foi ouvindo. E é, por este motivo, considerado o Pai da Literatura Infantil. (Sim, Disney, agradeçam-lhe.)

   

Na wikipédia, vemos dois retratos deste escritor e facilmente se conclui qual seria o destino de cada imagem, caso tivesse facebook:

 

perrault.jpg

  

Mas, para mim Perrault, não é nada disto. É roxo e fofo, de capa almofadada, como podem verificar na segunda foto deste post.

        

publicado por BataeBatom às 15:24
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
Domingo, 10 de Janeiro de 2016

E se tivesse sido diferente?

      

Sou daquelas tolas lamechas que, de vez em quando, lê a coluna "Amor Moderno" da New York Times, partilhada em português pelo Diário de Notícias (ler na língua materna é um bocadinho mais fácil). 

  

amor moderno DN.jpg

    

Esta, publicada hoje, cativou-me particularmente, uma vez que também já dei comigo a sentir-me agradecida pelos caminhos que me levaram a quem sou. 

 

No primeiro ano da faculdade, conheci a Rita, uma rapariga de olhos brilhantes e sorriso contagiante. Foram compostos grupos de trabalho, constituídos por alunos de diferentes turmas, e ficámos no mesmo. Em conversa, descobrimos a música em comum... E foi assim que ela me “levou” para o coro da missa do hospital, em Coimbra, onde conheci e integrei o fantástico SPES.


Foi lá que conheci também um divertido rapaz com as mesmas origens que eu: Pombal. E, através dele, integrei uma banda e um coro, na nossa cidade! Ou seja, conheci uma imensidão de pessoas que me fazem feliz.


Às vezes, pergunto-me como teria sido até agora o meu rumo, a nível musical e não só, se não tivesse conhecido a Rita. Será que na tarde de hoje (de ontem, na verdade, que a noite já vai avançada) teria tido aquele mesmo ensaio? Teria integrado estes grupos, ainda assim, por outro trilho? 

 

A minha faceta sonhadora, ou utópica ou o que lhe queiram chamar, faz com que eu acredite que sim, porque o que tem de acontecer tem muita força. (Vá, isso e o facto de não haver assim tantos violinistas aqui na zona.)

          

publicado por BataeBatom às 02:22
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito (4)

.facebook

Bata&Batom no Facebook

.pesquisar

.posts recentes

. Art's friday #33

. Como quase sermos o que q...

. Art's friday #32 - Especi...

. Esta coisa do ano bissext...

. Como ter cabelo brilhante...

. Intermitências da vida

. Ser portuguesa é...

. Olhe, desculpe, isto é um...

. Porque raio querem levar ...

. Versão ikra-não-sei-quê d...

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.arquivo

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014