Terça-feira, 2 de Junho de 2015

Carta para quem me ama

 

n-LETTER-large570.jpg

  

Pediram-me que te dedicasse uma carta. A ti, que me amas e tens partilhado comigo tantas, mas tantas experiências. A ti, que inquestionavelmente tens sido a minha maior companhia. E não imaginas como é estranha a sensação de expor aqui estas palavras, diante de todos.

 

Mas é com confiança que afirmo que me amas. Nunca duvidei. Nunca. O nosso quotidiano está longe de ser monótono e é contigo que partilho a cama todas as noites, sem exceção. Sabes perfeitamente que me pões a pele em brasa e me deixas a arfar. Contigo perco o controlo e fazes o que queres de mim.

 

Tu, ó infernal rebanho de ácaros que me acompanha para qualquer local, ofereces-me tão amorosamente eczemas e crises de asma. Surpreendes-me com essa obsessãozinha parva que tens por mim. Tu, seu conjuntinho irritante de bichos irritantes que me faz levar uma irritante vacina todos os meses, és um grandessíssimo chato. Achas que me completas, mas... Ouve, já não te aguento.

 

Eu sei que me amas, eu sei... Mas vai tentar a tua sorte com outra, que eu não quero ficar presa a esta relação disfuncional para toda a vida, ok?

 

Cumprimentos,

BB

  

(Outras histórias de amor aqui e aqui)

 

publicado por BataeBatom às 14:41
link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito (2)
Segunda-feira, 1 de Junho de 2015

Dia dos diabretes mascarados de coisas fofas (também conhecidos como "crianças")

 

Com tantas referências a este dia, foi inevitável dar comigo a pensar no assunto, durante a viagem de comboio.

 

Não pensei muito muuuuito (tinha acabado de sair de uma oral de cirurgia, portanto os neurónios não estavam propriamente fresquinhos), mas deu para concluir que, na minha opinião, um bom adulto tem que conseguir manter um pouco da criança que já foi, para ser um indivíduo interessante. Tem que se rir de parvoíces, ser espontâneo e ter um pingo de irresponsabilidade (atenção: um pingo não é um balde!). Tem que ser chato às vezes, só às vezes, para quebrar a monotonia.

 

E é com base nessa crença que me permito ser criança, não raras vezes, e ainda faço coisas deste género aos meus pais (ver vídeo até ao fim).

    

publicado por BataeBatom às 22:58
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito (1)

. ver BB

. seguir perfil

. 317 seguidores

.facebook

Bata&Batom no Facebook

.pesquisar

.posts recentes

. Art's friday #33

. Como quase sermos o que q...

. Art's friday #32 - Especi...

. Esta coisa do ano bissext...

. Como ter cabelo brilhante...

. Intermitências da vida

. Ser portuguesa é...

. Olhe, desculpe, isto é um...

. Porque raio querem levar ...

. Versão ikra-não-sei-quê d...

.Março 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.arquivo

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014